Lorelai 2011 – Vencedores / Top 5 de beldades do Emmy 2011

Sem mais delongas, vamos ver quem leva o Lorelai pra casa (porque a Lorelai, levo eu) nesse primeiro ano. Para saber quem eram os indicados, clique aqui. Ao final do post, o listão com as belezuras mais suculentas que passaram pelo tapete vermelho do Emmy (OK, nessa parte de cerimonial, eles ainda levam vantagem).

Melhor Episódio (Comédia): Parks and Recreation – Harvest Festival

Duas coisas me encantam nesse episódio: a sobriedade da imprensa de Pawnee e a sedução que Lil Sebastian provoca nas massas.

Melhor Elenco (Comédia): Modern Family
No discurso de vencedor do Emmy, o criador da série fez questão de ressaltar o valor que as crianças trazem à atração. Para mim, ele estava claramente fazendo campanha para conseguir não só ter todo o elenco adulto indicado em 2012, repetindo 2011, como também colocar todo o infantil na lista, para maltratar de vez a concorrência. A verdade é que, quando os textos da série caíram (e caíram muito da 1ª pra 2ª temporada), foi o elenco quem segurou a barra e manteve MF entre as melhores comédias da TV.
Melhor Dupla (Comédia): Chris Pratt e Aubrey Plaza – Parks and Recreation
Para você que não vê a série entender a dinâmica desses dois: é como se Pink e Cérebro se enamorassem. Emanando aquela mesma energia que Jim e Pam geravam antes da rotina do casamento e da preguiça dos roteiristas de The Office.
Melhor Atriz Coadjuvante (Comédia): Martha Plimpton – Raising Hope
Lidera um elenco que consegue ser doce e cáustico com a maior naturalidade possível. Se derem mais atenção à série, verão que ela pode ser tão adorável quanto Modern Family.
Melhor Ator Coadjuvante (Comédia): Nick Offerman – Parks and Recreation
Ron Fucking Swanson, uma voz que a humanidade precisa ouvir. Não sei se fui me acostumando ou se Offerman foi se esmerando, mas hoje comprovo a qualidade do trabalho dele nos raros momentos em que Ron se permite deixar a casca pela qual tanto zela.
Melhor Atriz (Comédia): Amy Poehler – Parks and Recreation
Leslie Knope poderia facilmente ser a chata da série, mas Poehler conseguiu achar um tom ideal, algo que fica ali entre Liz Lemon e Michael Scott. Com a vantagem de ser a mais realista dos 3 personagens listados.
Melhor Ator (Comédia): Steve Carell – The Office
O Lorelai não vai cometer a mesma injustiça que o Emmy. Steve Carell não sairá de mãos abanando depois dos ótimos serviços prestados dando vida a Michael Scott. De quebra, vai levar também um Dundie, uma caneca de World’s Best Ex-Boss e um George Foreman Grill novinho em folha.
Melhor Série (Comédia): Parks and Recreation
A primeira temporada da série foi horrível. Aliás, horrível é um termo até bondoso para aquela desgraça. Abandonada a trama do parque no buraco (se nunca viu o programa, nem tente entender) e valorizados os coadjuvantes (até o Jerry tem seus momentos de brilho… até o Jerry!), engrenou. Ainda está longe de atingir o nível que The Office já teve, por exemplo, mas parece que os melhores dias da série ainda estão por vir.
Melhor Episódio (Drama): The Suitcase – Mad Men
Não faltam episódios brilhantes ao cartel de Mad Men. Mas de todos, talvez esse seja o meu predileto. Um ator, uma atriz, um roteiro e um cenário, reunidos, conseguiram gerar a tensão que em outras séries moveria toda uma parafernalha. Há até de se perguntar se o programa conseguirá atingir esse nível novamente.
Melhor Elenco (Drama): Treme
Acho que eu já disse tudo quando soltei os indicados: cada membro do elenco merece um abraço pelo que faz na série. Mesmo que a maioria não chegue a ser brilhante. E, por favor, encaminhar um Lorelai também à cidade de New Orleans, a verdadeira protagonista da série.
Melhor Dupla (Drama):  Kyle Chandler e Connie Britton – Friday Night Lights
Coach & Mrs Taylor, o casal mais simpático e realista da TV. O entrosamento entre os atores é tanto, que se Connie se deitar na cama de Kyle, é capaz dele chegar, dar um beijo de boa noite, reclamar do treino que deu pela manhã e dormir. Ou “dormir”, sem nem notar que está prestes a cometer um monumental adultério. Clear eyes, full hearts, can’t lose.
Melhor Atriz Coadjuvante (Drama): Margo Martindale – Justified
Essa senhora chuta bundas na segunda temporada de Justified. Atriz e personagem que deram outra dimensão à série em cada cena que apareceram. E pode ficar tranquila, Margo, aqui não tem nenhum degrau pra você subir.
Melhor Ator Coadjuvante (Drama): Irrfan Khan – In Treatment
Eita categoria enjoada, sempre é difícil escolher um pra torcer no Emmy. E olhe que a lista do Emmy sempre fica meio diferente da minha. Acho que pouca gente ainda lembrava que In Treatment teve sua temporada de despedida esse ano. Irrfan foi, junto com a Mia Wasikowska da 1ª temporada, o paciente mais desafiador e a atuação mais magnética que o programa teve. Uma pena que seu trabalho não tenha sido reconhecido nas premiações. Coube ao Lorelai reparar essa injustiça.
Melhor Atriz (Drama): Elisabeth Moss – Mad Men
Foi uma decisão difícil entre ela e Julianna Margulies. Embora ambas tenham tido um desempenho impecável, considero que o material de Moss era mais difícil de ser defendido. Sem contar que ela nunca mais terá um texto tão bom na vida, tenho de aproveitar para premiá-la agora.
Melhor Ator (Drama): Jon Hamm – Mad Men
Por mais que eu tenha ficado feliz com a vitória de Kyle Chandler no Emmy, pra mim Jon Hamm foi o melhor ator do ano. Não bastasse ter sido parte fundamental daquela coisa linda chamada The Suitcase, viu o seu Don Draper passar por mudanças violentas durante a temporada. Há 4 anos, uma das melhores coisas da TV. O azar dele é que existe um senhor chamado Bryan Cranston fazendo algo tão bom quanto (ou ainda melhor) em Breaking Bad, ainda com a vantagem de ter um papel mais explosivo.
Melhor Série (Drama): Mad Men
Justified e Fringe são divertidíssimas, cada qual ao seu estilo. The Good Wife é excelente, um respiro de qualidade na cada vez mais derrubada TV aberta. Friday Night Lights teve uma bela trajetória e já faz muita falta. Acredito que Boardwalk Empire e Game of Thrones, que já mostraram qualidades no ano de estreia, vão melhorar muito em suas segundas temporadas. Treme é uma pintura, mesmo que de difícil absorção. Mas a única série que pode fazer frente a Mad Men é Breaking Bad, que não pôde concorrer esse ano. Sendo assim, quem quiser que odeie, mas Mad Men manda no pedaço, mais ainda do que mandou no Emmy.
*****
E vamos às beldades do Emmy:
5. Rachael Taylor
4. Lena Headey 
3. Sofia Vergara
2. Cobie Smulders
1. Christina Hendricks
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: